quinta-feira, 6 de agosto de 2015

As seções

  A primeira coisa que eu pensei quando eu o vi foi: "era para termos algo em comum?". E depois, me questionei o porquê pensei isso.
  Eu o vi na livraria, meu lugar preferido do mundo, todas elas, e, em uma das inúmeras vezes que eu entrei em uma das inúmeras livrarias, eu o vi. Eu estava na seção do mistério.
  Analisei e percebi que eu não tenho nada a ver com ele, e pensei que de repente, eu deveria ter, acho que na verdade, queria ter.
  Pois vejam, ou sou maluca, e eu acho que poderia dizer, até demais, com os meus óculos roxos, o meu jeans batido e uma camiseta preta de estampa colorida.
  Ele, cabelo anelado, mas bem penteado, uma calça social, camisa azul,, os óculos, pretos. O que ele teria a ver comigo?
  O instante que eu o observei, foi muito diminuto. Um flash, um lance, um olhar. O suficiente para me fazer pensar, por segundos, ainda mais porque ele não me viu. Queria eu ter sido vista por ele?
  Comecei a andar, aleatoriamente, pelas seções que nos separavam, passando pelas áreas de ficção, fantasia, imaginando que ele estaria passando por administração, negócios, contabilidade... E nas minhas andanças pelos corredores, topei com alguém, em qual seção? A do romance.
  Topei e na minha frente vi, o par de óculos pretos. E o mistério se desvaneceu... As diferenças, sim, existem, mas o romance aconteceu.
   

O segredo de seus olhos

  Seus olhos, um vitral, o mais agradabilíssimo de se ver.   Seus olhos, um mistério, o que eu mais gostaria de entender.   Seus olhos,...