segunda-feira, 7 de setembro de 2015

O Pequeno Príncipe - O filme

 


  Olá, minha gente!!! Este é o meu bom e velho blog, como todos já conhecem, ou, se não conhecem, como ele sempre foi, mas, hoje, decidi dá uma nova guinada neste, que tenho muito apreço, pois é nele, que escrevo um pouco do meu modo de ver a vida. E a novidade que quero implementar são resenhas de filmes e livros que, por ventura, eu sentir vontade de escrever aqui. Pelo menos, os que ficarem pululando na minha cabeça... E, como hoje eu assisti ao filme "O Pequeno Príncipe", me sinto na obrigação, mais comigo mesmo, de escrever um pouco dele... Simplesmente deslumbrante. 

  Eu acredito que, quando se decidem fazer tais releituras, o risco que se corre é muito grande, pois, mexer com um grande clássico literário e mundial, não é nada fácil... A probabilidade de se estragar, pela comoção já causada nas pessoas é imensa, mas, com muita sorte, não é o que acontece com este brilhante filme. Sempre que eu faço uma resenha de um livro ou um filme, não gosto de colocar nenhum spoiler, mas, um pequinininho, é o aviador que narra a história do livro (juro que não vou falar mais nada, pelo menos eu vou tentar), e o filme, nos presenteia com várias surpresas...

  Como se percebe no trailer, o aviador vai intervir na vida de uma menininha, sua vizinha, tentando lhe dar um pouco de vida, a vida de verdade, ou pelo menos, vida para aqueles que não esquecem do que é essencial, que, por muitas vezes, é invisível aos olhos. Ele vai sensibilizá-la e contar a história de um pequeno menino que ele conhecera, que viera de um asteroide, que se deixara cativar por uma raposa, e quando coube sua ida, simplesmente foi... De maneira muito delicada e singela.

  Inclusive, as várias partes que constroem o filme, são muito delicadas e singelas, um verdadeiro desfile de emoções, que encanta desde os pequenos até os mais velhos (afinal de contas, fiquei super encantada com a simbologia empregada no filme, através de formas, cores e fluidez de acontecimentos) e que, se eu não parar de falar, vou acabar dando com a língua nos dentes e falando demais, mas sério, umas das coisas que mais me chamou a atenção, foi essa extrema inteligência em como disponibilizaram os itens, cenários e pessoas no filme.

  É encantador, mas também, tudo culpa de Antoine de Saint-Exupéry, que fez um livro divino, muito mais que um livro infantil, é um livro filosófico, espiritual, não no sentido de religiosidade, mas transcendental, por um estilo de vida. O cuidado, o carinho, o respeito que se deve ter, não somente por si mesmo, mas por todos que te cercam e te cativam, afinal, tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas, e o filme, conseguiu muito bem fazer isto... Saí muito mais leve do cinema depois te ter visto o film... E se eu fosse vocês, eu não perderia, nem em sonhos...

O segredo de seus olhos

  Seus olhos, um vitral, o mais agradabilíssimo de se ver.   Seus olhos, um mistério, o que eu mais gostaria de entender.   Seus olhos,...