quinta-feira, 1 de outubro de 2015

O Oceano no Fim do Caminho

  

  Tenho a necessidade de expor o que eu sentir ao ler este maravilhoso livro de Neil Gaiman que se chama O Oceano no fim do caminho. Para quem não conhece, Neil Gaiman é um maravilhoso e estupendo escritor, autor de Coraline (livro este que tem uma animação, também maravilhosa, encantadora, se bem que tem gente que fala que tem medo de filme) e Sandman, quadrinhos muito conhecidos no mundo nerd e que todo mundo adora muito, além de ter escrito episódios e contos para Doctor Who e se formos ficar falando de Neil Gaiman, não paramos mais, só precisamos saber de uma coisa: o cara é bom, e o que ele produz, é sensacional. 


  Uma coisa é importante saber, nosso querido autor já descrito no parágrafo acima, flertar muito com a fantasia, e é claro que, o livro que estamos falando agora, não poderia ficar atrás. É um livro de fantasia fantástica, com um quê de aventura, com outro quê de infância, lembranças perdidas e achadas, reflexões, enfim, um livro que entra no seu ser, e que deixa uma marca muito profunda. Tirando os detalhes de como era as pessoas, paisagens, descrições de eventos que parece fazer você pular dentro da história, e simplesmente começar a viver cada palavra que Neil Gaiman nos presenta ao nos contar os acontecimentos.

  A história nos fala de um homem de aproximadamente 40 anos, que, querendo fugir um pouco da realidade sufocante em que se encontra, velório do pai, além de uma aparente vida conturbada por emprego, divórcio, dentre outros acontecimentos, se vê indo para o local em que vivera na infância, o local de sua antiga casa, que, por não ser mais a mesma construção de sua infância, faz com que ele siga até o fim da estrada, reencontre o lago, e as moradoras de um antiga casa que tem lá... E isso faz desencadear uma série de lembranças, de acontecimentos confusos e fantásticos, história esta que sim, muita gente não acreditaria como sendo real, mas foi.

 
Com apenas 7 anos, solitário, viciado em livros e que se vê em meio a um suicídio, moedas que aparecem do nada, uma menina, um tanto misteriosa e diferente com quem ele desenvolve uma amizade, Lettie não só cuida dele, mas mostra um universo completamente diferente, misterioso, desconhecido, não somente dele, mas de praticamente todo o mundo, a não ser pela Lettie, sua mãe e sua vó, as Hempstocks. E, por essa visita na fazenda Hempstock, o menino se vê em problemas, uma vilã tenebrosa, eventos fantásticos, reflexivos, porque não dizer até que filosóficos, que faz com que você veja as coisas diferentes, e o que é mais interessante. Com um grande toque de magia.

É um universo a parte do nosso, que, como diria Shaskepeare, nossa vã filosofia não desconfiaria, situações, lugares e pessoas tão mágicas, que a única coisa que me passou pela cabeça enquanto eu estava lendo o livro era: Por que não fazem um filme deste livro?!?! Ficaria fantástico!!! É uma leitura altamente recomendada para quem quer se encantar, se aventurar e viver um pouco de mágica. E detalhe, um final muito emocionante, daqueles que você fica pensando: "tiraram alguma coisa de mim, estou com muita saudade!!!".

Neil Gaiman conseguiu ser intimista, sincero e profundo neste livro. É como se ele conseguisse pintar quadros com suas palavras, dando para imaginar exatamente o que acontece, como está o céu, a lua, a roupa, o comportamento das pessoas... Por vezes quadros, por vezes filme, que faz você entrar de tal maneira no enredo, que parece que te transporta, literalmente para dentro do livro. Uma série de eventos que, até chegou a me lembrar a história sem fim, na parte que Fantasia é tomada pelo Vazio, e a Lettie, que me faz me lembrar a pequena Ellie, de Up! Altas Aventuras, que faz com que dê essa sensação de magia, fantasia e infância, que tanto me fez bem, e espero que faz tanto bem para você também!!! Leitura super recomendada!!! Espero que gostem, até mais!


O Retrato

  Era um olhar encantador.   Uma candura na forma de rosto de menina, de mulher, que conseguia esconder bem, todos os seus segredos. Era ...