terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Poemeu

Queria poder escrever uma poesia
Em que eu pudesse mostrar todo o meu ser
Mas como tentar em poucas linhas tudo isso conter?
Como não transbordar um misto de pensamentos e emoções
                                                                                      que mal
                                                                                                  conseguem
                                                                                                                   ser?

Conter o que se transborda, como uma chuva de verão
Que no seu ímpeto repentino, deságua em turbilhão
E com a mesma força em que aparece, em calmaria se torna
Mostrando toda a dualidade do que é ser... Meu ser...

Que se arrebenta e se constrói, assim como a fênix ressurge
A cinza que se desmancha e que se constrói
Mostrando sempre o novo, a vida
Que se monta de onde já não se enxergava mais... A vida...

O segredo de seus olhos

  Seus olhos, um vitral, o mais agradabilíssimo de se ver.   Seus olhos, um mistério, o que eu mais gostaria de entender.   Seus olhos,...