domingo, 23 de julho de 2017

Cigana

  Olhara para dentro dos seus olhos e enxergara o que mais ninguém conseguia ver.
  O pedido de socorro que tanto escondera, por anos, uma vida inteira, maquiada com o rosto alegre e um sorriso no rosto que nunca se apaga... Mas os olhos... Ah, olhos... Esses não são fáceis de se enganar.
  Quem era aquela mulher que, em um contato tão superficial, conseguira ler por completo o seu ser. Tal qual uma cigana, que por ventura, consegue ler a sorte das pessoas, lera a sua falta de sorte, transvestida da tristeza que seus olhos não escondeu... Não para essa mulher...
  Quem é essa mulher?!
  Cigana misteriosa, que sempre me conhecerá, a fundo... E eu, nem uma centelha mínima do seu ser.
  Quem é esta mulher?!
  Eu, na minha simples ignorância de reles mortal, vou sempre imaginar... Mas nunca saber...

O segredo de seus olhos

  Seus olhos, um vitral, o mais agradabilíssimo de se ver.   Seus olhos, um mistério, o que eu mais gostaria de entender.   Seus olhos,...